Após ameaça em hospital de SP, indígena que teve o braço amputado é transferido

Homem teria visitado o quarto da Santa Casa de São Carlos (SP), onde a vítima estava internada, para falar que o caso "não vai ficar assim".

Em 25/02/2019 04:06:00 na sessão Brasil

Foto: Asscom MDH/Divulgação

Após receber ameaça durante internação na Santa Casa de São Carlos (SP), o indígena de 39 anos, que teve o braço amputado depois de uma agressão, foi transferido neste sábado (23) para outro hospital a pedido da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

De acordo com a secretária Sandra Terena, a transferência foi solicitada na segunda-feira (18), quando foi feito o pedido à Polícia Civil para tratar o caso como crime étnico-racial.

"Determinei a transferência e cuidamos disso como cautela para presar pela segurança do indígena. É uma pena que tenhamos que tirar uma pessoa da cidade por ameaças, mas agora ele poderá terminar o tratamento sem riscos", disse.

Por questão de segurança, o estado e a cidade do hospital não serão divulgados. A assessoria de imprensa da Santa Casa de São Carlos confirmou ao G1 a transferência.

"Não vai ficar assim"

Ajudante de serralheiro teve braço amputado em São Carlos após agressão -- Foto: Reprodução/Facebook

Na quinta-feira (21), a irmã do indígena prestou depoimento no 2º Distrito Policial (DP), responsável pela investigação do caso, para contar que um homem em tom ameaçador teria visitado o quarto dele para dizer que a situação "não vai ficar assim".

Diante da ameaça, a Comissão dos Direitos Humanos da OAB de São Carlos solicitou escolta policial para o homem até a transferência ser concluída. Em entrevista a presidente Sara Lúcia de Freitas Osório Bononi, disse que encaminhou o caso ao Ministério Público Federal (MPF) e aguarda a decisão.

"Depois da agressão, nós entramos com o Ministério Público local, que disse que não tinha ciência ainda e não ia se pronunciar no momento. Eu entendi que é mais adequado que os fatos fossem analisados e conduzidos pelo MP Federal, em razão de ser um direito fundamental", declarou.

Na ocasião, a Santa Casa de São Carlos informou, por meio do Departamento Jurídico, que não foi informada sobre as ameaças, seja por parte do advogado do paciente, seja pela OAB.

Agressão

Braço precisou ser amputado pela gravidade dos ferimentos -- Foto: Reprodução/Facebook

O crime aconteceu em 18 de janeiro, mas só foi registrado na terça-feira (12), após uma denúncia anônima. O ajudante de serralheiro relatou que no dia da agressão, após o trabalho, foi a um bar com um homem que ele conhecia e cujo nome foi informado à polícia. No local, ocorreu uma discussão entre eles e o homem acusou o ajudante de ter furtado R$ 100.

Em um áudio cedido pelo professor de sociologia e fundador da ONG Associação Veracidade, Djalma Nery Ferreira Neto, o indígena relatou como foi a agressão e diz temer pela sua vida. "Eles falavam que iam acabar comigo, minha família também", disse.

Após a discussão no bar, o homem suspeito da agressão foi embora e mais tarde abordou o indígena em um semáforo e pediu carona. Ele entrou no carro e pegou a chave e passou a dirigir o carro, pegou mais outro homem e foi até a casa do indígena.

"Eu estava com a chave mas não abri a porta. A intenção era roubar o carro, eles queriam ferramenta e tudo. Queriam de tudo quanto é jeito", afirmou a vítima.

Fonte: G1 



Por Olhar Cidade 25/02/2019 04:06:00

Mais notícias da sessão: Brasil